Entenda os Riscos e Benefícios da Automação Bancária

 em Agronegócio, Crédito Rural, Dicas

Você já parou para observar o quanto vivemos naquilo que, até há pouquíssimo tempo, pertencia apenas à ficção ou ao imaginário dos entusiastas da tecnologia? Às vezes, mudanças em nosso cotidiano vão aparecendo em pequenas doses e nem nos damos conta do quanto avançamos.

Quem imaginaria, antes da década passada, que hoje poderíamos pagar contas sem termos que sair de casa e enfrentarmos as temidas filas de banco ou, ainda, que poderíamos abrir uma conta corrente em poucos minutos sem precisarmos assinar um único documento apenas tendo uma conexão com a internet?

Essas são apenas algumas das inúmeras inovações que a automação das instituições financeiras possibilita, e é sobre isso que vamos tratar neste artigo.

 

Afinal, o que é automação bancária?

O termo automação tem a sua origem na palavra automatus, do latim, e significa “mover-se por si”. Dessa maneira, trata-se de um sistema de controle que se utiliza de soluções tecnológicas para executar um ou vários processos operacionais de forma automática, dispensando a necessidade de interferência humana.

Assim, ao tratarmos sobre automação bancária, estamos falando dos diversos processos que hoje ocorrem em máquinas, através da leitura e processamento de dados, sem a necessidade de papéis, de cálculos manuais e da presença física de clientes na agência, por exemplo.

São os casos citados acima, de pagamentos e abertura de contas, realizados pelo computador ou smartphone, porém, mais do que isso, a adoção de sistemas automatizados não facilita apenas a vida do cliente, dispondo a ele uma enorme gama de serviços inteligentes, como também melhora os processos internos das instituições, através de sistemas de gestão que agilizam o trabalho cotidiano, facilitam a identificação de erros e fraudes e permite que os funcionários possam se dedicar a processos mais importantes.

 

A transformação digital é o futuro dos bancos

Os processos automatizados fazem parte da transformação digital que hoje está presente em todos os setores da sociedade: financeiro, governamental, do agronegócio, da indústria pesada, do comércio, da saúde etc.

Isso ocorre, pois, os clientes se tornam cada vez mais exigentes com aquilo que consomem, o que, por sua vez, estimula o desenvolvimento de soluções para que as empresas permaneçam atualizadas e competitivas no mercado.

Com o setor financeiro, a situação não é diferente e é por isso que as Fintechs, que são empresas que desenvolvem soluções financeiras baseadas totalmente no uso de tecnologia, estão conquistando cada vez mais o mercado, produzindo inovações para bancos, financeiras e cooperativas.

Também se incluem como Fintechs os bancos digitais, que se tornam mais populares a cada dia e já possuem mais de 40 milhões de clientes só no Brasil. 

Para se ter uma ideia do quanto os serviços financeiros digitais estão em alta, podemos observar que as transações de pessoas físicas nos canais digitais, durante o período da pandemia, representaram 74%, de acordo com pesquisa divulgada pela FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos.

Além disso, uma pesquisa realizada pela consultoria Deloitte em 17 países revelou que 84% dos clientes de bancos já utilizam serviços bancários online e 72% usam aplicativos móveis.

Sendo assim, não há mais como pensarmos em serviços financeiros que não estejam cada vez mais integrados com as novas tecnologias, tanto para automação de processos externos (clientes), quanto internos.

 

As vantagens da automação bancária

Com tudo o que tratamos até aqui, fica claro que a automação bancária é fundamental para as instituições financeiras hoje. Por isso, elencamos algumas das principais vantagens existentes nesse processo:

 

Eficiência

Com um sistema bancário automatizado, as instituições têm um considerável ganho de produtividade, pois as transações ocorrem de modo muito mais ágil e com menor ocorrência de erros, o que também garante a diminuição do retrabalho e aumento de segurança.

Uma cooperativa de crédito rural, por exemplo, pode realizar a solicitação de adesão ao Proagro de um produtor de forma ágil, por meio de soluções que atualizam as normativas do Banco Central, integram dados dos diversos setores responsáveis, notificam informações da perícia e tornam todo o processo de documentos e formulários automático.

 

Você confere um pouco mais sobre o Proagro nesses artigos que separamos para você:
Proagro: Entenda como funciona a avaliação de perda da lavoura

Proagro: Guia do programa de garantia da atividade agropecuária

 

Redução de custos

Se a automação resulta em maior eficiência com um aumento de produtividade e controle das informações, é evidente que os custos operacionais como um todo passam a reduzir.

Mesmo que a adoção de um sistema inteligente necessite de investimento, na prática, as despesas para a implementação se pagam por conta da redução de erros, da diminuição de trabalhos cotidianos e de burocracia e da possibilidade de melhor gestão dos recursos humanos.

 

Melhor experiência para o cliente

Como quase todas as transações podem ser realizadas através de um smartphone, inclusive havendo o recebimento de notificações a respeito de contas e de outros serviços contratados, a satisfação e a confiança do cliente aumentam.

Além disso, com um sistema automatizado, o cliente pode contar com serviços personalizados e com uma resposta às demandas do mercado muito mais rápidas.

Para ilustrar isso, voltemos ao exemplo dado acima, o da cooperativa de crédito rural, se um produtor precisa acionar o seu seguro, com uma instituição automatizada, ele consegue fazer tudo de sua própria casa, dispensando a necessidade de reunir vários documentos e ir até uma agência. Essa possibilidade cria uma relação de maior confiança e de conforto para o cliente.

 

Os riscos de uma automação bancária não eficiente

Se, por um lado, a automação bancária tende a resultar em situações positivas às instituições financeiras, por outro, dependendo de quais são as soluções contratadas, ela pode simbolizar ainda mais problemas.

Uma automação bancária não eficiente expõe todos os processos a riscos indesejados, o que, para um setor que trabalha com o dinheiro das pessoas, é altamente arriscado, pois acarreta despesas extras, perda de autoridade e, inclusive, desligamento de clientes.

Exemplificando, recentemente correntistas de algumas Fintechs brasileiras acusaram o “sumiço” de valores referentes ao auxílio emergencial, como também houve o vazamento de dados cadastrais de clientes. Isso representa um dano grave a essas instituições e demonstra o quanto se deve ter cuidado com a robustez dos softwares e demais soluções utilizadas.

Para além dessas situações, outros problemas “menos graves” também podem ser listados, como a utilização de um software que não está sempre atualizado com as normativas do Banco Central ou que funciona apenas como uma forma mais avançada das planilhas eletrônicas, isso é, que ainda exige vários registros manuais, ao invés de ajudarem a dar mais fluidez aos processos, acabam dando dor de cabeça e aumento de trabalho.

Portanto, ao considerar a automação bancária, as instituições financeiras devem procurar serviços bem estabelecidos no mercado e que comprovem a sua eficiência, dando garantias de que não apresentarão entraves às operações, pelo contrário, que servirão para melhorar o trabalho dos funcionários e a experiência dos clientes.

Postagens Recomendadas

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Tecnologia no AgronegócioNF-es
%d blogueiros gostam disto: