Quais tipos de instituição financeira existem?

 em Crédito Rural, Dicas

No modelo de sociedade em que vivemos, praticamente todas as pessoas, físicas ou jurídicas, necessitam realizar movimentações financeiras, sejam elas as mais simples, como pagamento de contas e transferências bancárias, ou as mais complexas, como aplicações e financiamentos.

A respeito disso, você certamente já observou que, quando se trata de finanças, há diferentes tipos de instituições existentes. Cooperativas de crédito, bancos convencionais, financeiras e corretoras de investimentos são apenas alguns exemplos dentre tantos que podem ser citados.

O que cada uma dessas instituições tem em comum é que todas são operadoras financeiras e compõem, juntamente com os órgãos normativos (Conselho Monetário Nacional – CMN) e entidades supervisoras (Banco Central do Brasil – BACEN), o Sistema Financeiro Nacional.

Entretanto, existem tantos nomes diferentes para nomear essas instituições financeiras que, às vezes, podem gerar confusão e passarem a sensação de que tudo se trata da mesma coisa, mas, na verdade, cada uma delas possui uma definição e uma função específicas dentro desse sistema.

Por conta disso, preparamos este artigo que irá esclarecer para você a diferença entre as principais delas.

 

O QUE É UMA INSTITUIÇÃO FINANCEIRA?

Talvez você tenha visto que o Mercado Livre passou a operar como instituição financeira recentemente e essa notícia levantou uma série de questionamentos a respeito do que torna determinada empresa uma dessas instituições.

Em primeiro lugar, é importante compreender que as instituições financeiras são todas as organizações públicas ou privadas que trabalham com o capital financeiro de seus clientes, ou o seu próprio, atuando em serviços do mercado financeiro.

Como exemplos desses serviços, pode-se pensar, entre outros, nos empréstimos, nos financiamentos e nos investimentos. Assim, as instituições financeiras atuam como intermediadoras entre o cliente e o serviço que é solicitado.

Desse modo, todas as operadoras financeiras também são chamadas de instituições financeiras. Por exemplo, as cooperativas de crédito, os bancos convencionais e as corretoras de investimentos que citamos acima são definidas como instituições financeiras pelo BACEN.

Aliás, o próprio Banco Central é quem fiscaliza e supervisiona essas instituições seguindo as normas estipuladas pelo CMN.

Além dos exemplos dados, algo que chama atenção e causa dúvidas às pessoas é se determinadas lojas são instituições financeiras ou não. As grandes redes varejistas brasileiras como Casas Bahia, Pernambucanas, Renner e Riachuelo fornecem cartões de crédito para seus clientes e, inclusive, algumas possibilitam ainda a criação de conta digital e empréstimos pessoais.

O que ocorre nesse caso é que algumas varejistas criaram financeiras próprias para atender as demandas de seus clientes, podendo, assim, oferecer serviços bancários e possuir autorização do Banco Central para que operem como um banco.

Isso não significa, entretanto, que todas as marcas do varejo que fornecem cartão de crédito são necessariamente instituições financeiras. Na maioria dos casos, há uma parceria criada entre a marca e algum banco ou financeira já existente, assim, a varejista atua apenas como intermediária de seus clientes junto a alguma instituição financeira para obter crédito.

 

QUE TIPOS DE INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS EXISTEM?

Como vimos, o BACEN é responsável por supervisionar todas essas organizações que atuam no Sistema Financeiro Nacional enquanto operadoras financeiras e, para que exista uma ordem estabelecida, estas são divididas em diferentes “tipos”, dentre os quais destacamos os principais:

 

Banco Comercial

Os bancos comerciais são, evidentemente, os mais conhecidos e tradicionais no mercado financeiro brasileiro. Essas instituições, que podem ser públicas ou privadas, possuem como objetivo principal suprir os recursos necessários para financiar pessoas físicas e jurídicas em curto e médio prazos.

Além disso, outros serviços comuns aos bancos são: empréstimos e operações de crédito; emissão de meios de pagamento (cartão de crédito, cheques); cobranças; transferências; câmbio; entre outros.

Na maioria dos casos, essas instituições são enquadradas como bancos múltiplos, assim, além dos serviços básicos também operam em fundos de investimento, títulos de capitalização, previdência complementar e seguros.

 

Cooperativas de crédito

Em uma definição simples, as cooperativas de crédito não fogem muito às especificações gerais dos bancos comerciais. Assim, elas também fornecem aos seus clientes os mesmos serviços de natureza bancária e acesso a crédito que qualquer outro banco.

Entretanto, a grande diferença existente entre as duas instituições financeiras é que as cooperativas possuem como clientes os seus “próprios donos”. Desse modo, pelo menos 51% da cooperativa deve pertencer aos seus cooperados.

De acordo com o que é exigido pelo BACEN, todo cooperado, o qual pode ser entendido como um sócio da instituição financeira, ingressa voluntariamente e possui direito a voto. Para ingresso, é exigido um capital social do futuro sócio, normalmente de baixo valor, o qual pode ser resgatado no caso de saída.

Além disso, por ser uma cooperativa, a instituição não deve ter fins lucrativos, contudo, as sobras existentes em cada exercício financeiro se tornam pauta de uma assembleia geral, na qual os cooperados decidem qual será o destino delas.

De modo geral, é comum que tais sobras sejam distribuídas entre os sócios de maneira proporcional às movimentações financeiras que cada uma realizou.

Por não visarem lucros, muitas vezes as cooperativas de crédito acabam conseguindo oferecer taxas menores do que as de bancos comerciais tradicionais. Ainda mais, os serviços das cooperativas são geralmente personalizados podendo ter maior ênfase no crédito rural ou no crédito para pequenas e médias empresas, por exemplo.

 

Financeiras

Instituições que têm se tornado cada vez mais populares no Brasil, as Sociedades de crédito, financiamento e investimento, conhecidas como financeiras, são organizações privadas focadas em oferecer investimentos e financiamentos e empréstimos pessoais para a aquisição de bens e serviços.

Diferentemente dos bancos, as financeiras oferecem uma gama menor de serviços e produtos, isso quer dizer que não possuem contas correntes, cadernetas de poupanças, cartões de crédito etc., mas, sim, oferecem títulos em renda fixa como os Recibos de Depósitos Bancários – RDBs e Letras de Câmbio – LCs, além das operações de crédito e financiamento.

Porém, assim como os bancos, as financeiras estão respaldadas pelo Fundo Garantidor de Crédito, que garante aos seus clientes o ressarcimento de até R$ 250.000,00 em caso de falência da instituição. Esse valor pode ser acumulado até R$ 1.000.000,00 a cada período de quatro anos.

 

Caixa Econômica Federal

Embora muitos pensem que a Caixa Econômica Federal – CEF é apenas mais um banco, a realidade é que mesmo que ofereça serviços bancários comuns, essa instituição financeira foi criada para conceder créditos relacionados ao bem estar social da população brasileira.

Por isso, destaca-se na atuação da CEF o recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, e os recursos liberados para áreas como educação, habitação, assistência social e outros.

Outro destaque é que a CEF é a instituição responsável por operacionalizar a Loteria Federal.

 

Portanto, essas são as principais instituições financeiras que atuam no Brasil e compõem o nosso Sistema Financeiro Nacional, contudo, há ainda os bancos de investimentos, as agências de fomento, os bancos de desenvolvimento, as sociedades de arrendamento mercantil (leasing) e outras que são autorizadas e supervisionadas pelo BACEN.

Postagens Recomendadas

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

NF-esenergia-renovavel
%d blogueiros gostam disto: