Saiba o que é a gestão de vulnerabilidades no setor financeiro

 em Dicas

A gestão de vulnerabilidades no setor financeiro é um tópico muito importante para as empresas do segmento. Tamanho alarde não se dá por acaso: as instituições financeiras são alvos recorrentes do cibercrime há muito tempo. Por sua vez, as ameaças virtuais nunca estiveram tão sofisticadas como atualmente.

Mas o que é gestão de vulnerabilidades? Essencialmente, ela consiste em estratégias de proteção voltadas aos ativos de Tecnologia da Informação (TI) e políticas de segurança empregadas no ambiente de trabalho. O objetivo é reduzir as vulnerabilidades e, assim, prevenir-se de ataques cibernéticos.

Mas de quais tipos de ameaças estamos falando? Os exemplos mais comuns são phishing, malware, ransomware (e suas variantes), ataques de força bruta para quebra de senhas, ataques DDoS (Distributed Denial of Service), entre outros artifícios que podem gerar prejuízos irrecuperáveis ao seu negócio.

Contudo, sabemos que promover e gerenciar a segurança dos dados não é uma tarefa fácil, ainda mais quando a TI não faz parte do core business. Por isso, apresentamos neste artigo as funções presentes nas soluções da Softfocus para ajudá-lo nesse sentido. Vamos a elas?

Integração segura com o sistema do Banco Central

Quando as operações financeiras necessitam de intermédio do Banco Central (Bacen), como é o caso das cooperativas de crédito e outras instituições financeiras, é fundamental que a integração entre o software e o sistema do banco seja mais do que eficiente — a comunicação deve ser segura.

Contudo, o que significa “segurança” em um processo desse tipo? Na área de Segurança da Informação, a transmissão de pacotes é um dos pontos que requer muita atenção, visto que os dados, quando desprotegidos, correm o risco de chegarem a um destino indesejado.

Portanto, o tráfego de rede tem de ser suportado por uma infraestrutura monitorada, cujas análises de vulnerabilidade sejam feitas por uma equipe de segurança — normalmente composta por administradores de sistemas experientes e um time de ethical hacking (hackers éticos).

Além disso, a criptografia dos dados é outro recurso relevante para garantir o sigilo das informações. Afinal, a criptografia tem a função de codificar os arquivos, tornando-os ininteligíveis a quem não está autorizado a obter acesso, e ela está inserida na Resolução do Banco Central nº 4658.

Powered by Rock Convert

Cumprimento aos requisitos da Resolução Bacen nº 4658

As soluções da Softfocus são voltadas ao setor financeiro no Brasil. Isso significa que o desenvolvimento de cada uma delas tem como base o cumprimento aos requisitos da já mencionada Resolução Bacen nº 4658.

Tal resolução foi criada a fim de regular a política de segurança cibernética de serviços ligados ao processamento e armazenamento de dados e de computação em nuvem, contratados por instituições financeiras autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil.

Entre os pontos abordados no normativo, convém destacar a questão do Plano de Ação e de Resposta a Incidentes para implementação da política de segurança cibernética. A sua importância está na avaliação da capacidade da instituição financeira perante um incidente de segurança (como um ataque cibernético).

A contratação de serviços de computação em nuvem (cloud computing) devidamente certificados e acreditados por instituições globais de Segurança da Informação é, também, um item crítico presente no documento. O que isso significa? Simplesmente, que o provedor de serviços em nuvem deve ser confiável.

Como as soluções Softfocus estão integradas com um provedor de alta confiabilidade — mais precisamente a Amazon Web Services —, há garantias de que o armazenamento de dados é feito em um ambiente absolutamente seguro. Basta sabermos que existe uma equipe formada pelos melhores profissionais do mercado, para impedir que desastres aconteçam.

Análise de tráfego em tempo real com o AWS GuardDuty

Aproveitando que mencionamos a relação dos produtos de software Softfocus com os serviços de cloud computing da Amazon (AWS), cabe destacar que a análise de tráfego dos nossos sistemas é feita em tempo real por meio do serviço AWS GuardDuty. Ótimo, mas o que esse serviço faz? Vamos a uma breve explicação.

O Amazon GuardDuty é um serviço de detecção de ameaças que monitora continuamente a rede a fim de identificar o comportamento dos usuários e dos processos em si. Para possibilitar a atividade, o GuardDuty trabalha com regras e definições para ações maliciosas, de modo que qualquer conduta que fuja às regras seja analisada minuciosamente.

Além do conjunto de regras, o monitoramento do serviço também conta com a inteligência da AWS Security e seus parceiros para detecção de ameaças, anomalias e comportamentos maliciosos — autorizados ou não. Quando uma ameaça é identificada, a ação é automaticamente executada pelo GuardDuty.

Na relação de parceiros da AWS, vale destacar, há nomes muito importantes, como: IBM, Accenture, Deloitte, McAfee, e TrendMicro. Tratam-se de organizações especializadas em TI e que dispõem de estrutura e pessoal para trabalhar em estudos aprofundados acerca da segurança cibernética.

Como funciona a inteligência do Amazon GuarDuty?

O modo como é feita a detecção de ameaças, por si só, demonstra a sofisticação do GuardDuty. A equipe da Amazon (e demais provedores) faz o registro de endereços IP (Internet Protocol) e domínios conhecidos por serem utilizados por invasores.

A partir do conteúdo, feeds de inteligência de ameaças são pré-integrados e atualizados de maneira contínua. É um sistema que funciona similarmente às vacinas de antivírus que são instaladas a cada atualização.

Já na parte de anomalias comportamentais, o serviço recorre a uma ferramenta de aprendizado de máquina (Machine Learning), a qual é capaz de definir uma linha base de comportamento até que, após um período de sete a 14 dias, ocorra a migração do modo aprendizado para o modo ativo.

Ou seja, a inteligência artificial compreende o que é (ou não) normal nos processos do sistema Softfocus. Logo, os procedimentos realizados em sua instituição financeira são monitorados em segundo plano pelo GuardDuty — que assegura a prevenção às inúmeras ameaças cibernéticas.

Como vimos neste artigo, as soluções Softfocus são bem estruturadas em termos de segurança, a ponto de garantir que a gestão de vulnerabilidades no setor financeiro seja feita seguindo as melhores práticas e com auxílio de serviços de excelência no ramo.

Se você gostou do que aprendeu e tem interesse no assunto, aproveite para conhecer melhor o que a Softfocus tem a oferecer ao seu negócio!

Postagens Recentes

Deixe um Comentário

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

segurança de dados em instituições financeirascriptografia no setor financeiro
%d blogueiros gostam disto: