A transformação digital do Agronegócio durante a pandemia

 em Agronegócio

As medidas restritivas adotadas no agronegócio e em todo os setores, para a contenção da pandemia do novo coronavírus, causador da Covid-19, têm afetado a economia nacional em seus diversos setores.

Apesar disso, o agronegócio brasileiro conseguiu se manter em pleno crescimento na pandemia, apresentando uma safra recorde de grãos e o maior valor já registrado em exportações nos cinco primeiros meses do ano.

Ainda mais, foi o único setor que apresentou um desempenho positivo na geração de trabalho, com mais de 62000 vagas criadas no primeiro semestre.

Os resultados positivos do agronegócio na economia brasileira derivam de diversos fatores como os de pesquisa e desenvolvimento, fatores climáticos no início do ano e a própria desvalorização da moeda, que impulsiona a exportação.

Por outro lado, os pequenos e os médios produtores que não trabalham com exportação, incluindo nisso a agricultura familiar, encontraram inicialmente entraves no escoamento de sua produção, uma vez que houve a interrupção de atividades essenciais para o setor, como as feiras livres, os serviços de restaurantes e hotéis, restrições em supermercados e outros.

Contudo medidas como as de valorização do consumo de produtores locais, a reorganização logística e, ainda, a manutenção do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), que mantem a distribuição de alimentos a estudantes mesmo sem aulas presenciais, se destacaram como agentes amenizadores dos impactos da pandemia sobre o setor.

A pandemia impulsionou a transformação digital no agronegócio

Além do que foi exposto, não há como deixarmos de comentar a crescente demanda por tecnologia da informação que a pandemia trouxe consigo. Todos os setores perceberam a importância do uso dessa tecnologia para conseguir sobreviver e isso não é diferente para produtores rurais, para agroindústrias e para prestadores de serviços ligados ao campo.

O mundo está experienciando uma nova forma de relação de consumo e de produção, a qual exige integração de dados para gestão e controle, transparência, desburocratização de procedimentos, facilidade de comunicação, entre outros.

Quando se trata exclusivamente do agro, é essencial ressaltar que a transformação digital está ligada a todas as etapas: planejamento, produção, comercialização, armazenamento e escoamento. O que se coloca como central em todo esse processo de transformação é a geração, o processamento e a gestão de dados que conectam máquinas e humanos para o novo mercado.

Isso quer dizer que é possível e é necessário integrar diversas informações do campo geradas por colheitadeiras, sensores, imagens de drones e satélites a documentos da propriedade, planilhas contábeis, controle de estoque e diversos outros em conteúdo digital.

Ao se pensar na pré-produção de uma lavoura, por exemplo, com a integração de dados é possível tomar decisões acertadas quanto a uma nova safra, pois o processamento revela a necessidade de insumos futuros de modo preciso, quais manejos devem ser feitos para a produção, a previsão de receitas e demais despesas que serão exigidas.

Isso tudo ajuda o produtor a obter um controle mais preciso na hora de tomar decisões, resultando em maior produtividade e em redução de custos.

Conteúdo digital no agronegócio

Possuir um conteúdo digital do agronegócio está ligado também a setores de prestação de serviços e auxílio.

Para ilustrar isso, podemos considerar a adoção do Sistema de Análise Temporal da Vegetação (SATVeg) pelo Banco Central no período de pandemia para facilitar a fiscalização não presencial dos agentes do Proagro. Tal medida é fruto de uma das urgentes necessidades impostas por essa situação de distanciamento social.

Também sentiram a importância do mundo digital as cooperativas de crédito e demais instituições financeiras que compõem a cadeia do agronegócio. A impossibilidade de atendimentos presenciais e a iminência do prosseguimento de solicitações de seus clientes tornou as soluções tecnológicas imprescindíveis.

Quando há a digitalização e o uso de tecnologias, as solicitações referentes à participação em programas como o Proagro e o Plano Safra ou, até mesmo, aos pedidos de crédito rural podem ter uma drástica redução de burocracia e uma agilidade de até 80% no tempo da obtenção de documentos.

Além disso, as instituições financeiras que operam digitalmente, com soluções ágeis e de alto desempenho estão tendo local de destaque na competitividade do setor.

Comercialização digital

Outro elemento igualmente estimulado pela pandemia é a comercialização digital.

Embora muitas pessoas ainda pensem que a comercialização dos produtos do agronegócio não tenha relação direta com a transformação digital, a realidade é que essa relação está se tornando cada vez mais necessária, principalmente por tudo o que ficou evidente durante a pandemia.

Para demonstrar isso, é possível pensar no produtor da agricultura familiar que se percebeu com condições reduzidas de comercialização de seus produtos, uma vez que as feiras livres foram suspensas.

Uma das alternativas encontradas foi o comércio digital, elemento importante do mundo atual. Nisso, encontram-se diversos aparatos como o uso de redes sociais, o desenvolvimento de websites, o planejamento de marketing e outros que colocaram a comercialização dos agro-produtos em um novo espaço.

Além disso, uma das características que tendem a crescer muito no mercado mundial é a rastreabilidade dos produtos.

Isso significa que a produção rural deve gradualmente ir digitalizando os dados de sua produção para que a indústria e o consumidor final tenham maior segurança e controle de qualidade.

Nesse contexto, encontra-se um consumidor que possui uma exigência maior em relação à origem dos produtos que consome, o que deve ser atendido por toda a cadeia produtiva.

Desse modo, o consumidor de frango, por exemplo, cada vez mais terá interesse em saber quem criou a ave, onde a criou, quais as proteínas e as vacinas foram dadas a ela, qual a forma de alimentação e de alojamento foi disposta etc.

Enfim, são diversas as aplicações da transformação digital que têm gerado dados e estimulado uma verdadeira revolução no mundo do agronegócio, pois a manipulação desse conteúdo através de soluções tecnológicas auxilia na melhoria da produtividade e na redução de custos em todas as etapas.

As lições que a pandemia trouxe ao mundo não devem ser em vão

O que resta claro é que o período pelo qual o mundo está passando trouxe novas demandas ao mercado mundial e está construindo outras maneiras de relacionar produção, comercialização e consumo.

Tais demandas aceleraram a transformação digital não só no agronegócio, mas em todos os setores da economia durante a pandemia e, continuarão acelerando.

Por isso, é fundamental que a ainda enorme resistência que existe no mundo rural a respeito de digitalizar todas as etapas da cadeia produtiva seja rompida e que existam maiores incentivos para conectividade, barateamento de dispositivos e treinamento de equipes para que as lições da pandemia que estamos vivendo sejam verdadeiramente implementadas.

Gostou desse artigo? Então compartilha e assina nossa newsletter para receber conteúdos como esse em seu e-mail.

Postagens Recentes

Comece a digitar e pressione Enter para pesquisar

Agricultura 5.0Crédito Rural
%d blogueiros gostam disto: